f y
_

Classes de Conjunto

De acordo com o Regulamento Interno, entende-se por Classes de Conjunto todas as disciplinas de Coro, Orquestra, Música de Câmara e outros Conjuntos Instrumentais e/ou Vocais que venham a ser aprovadas em conselho pedagógico.

Cada classe de conjunto deve funcionar de acordo com um projeto anual, da responsabilidade do professor orientador e de outros responsáveis pelo projeto, que deverá ser apresentado ao diretor e obter a aprovação do conselho pedagógico, durante o mês de julho.

CLASSES DE CONJUNTO – ORGANIZAÇÃO (PDF)

>COROS

Pequenos Cantores do Conservatório Nacional
Grupo criado em 2006 por Tiago Marques, formado com a intenção de realizar obras complexas para coro infantil. Entre outros projectos, os PCCN participaram na realização da “Petite messe naïve” de Eurico Carrapatoso e gravaram o CD de Natal “Gloria in excelsis Deo!”. Desde o início do ano letivo de 2011-12 que os PCCN cantam sob a direcção de Teresa Cordeiro.

Ensemble Peregrinação
Formado no âmbito das comemorações dos 170 Anos da EMCN, tomando o seu nome da ideia da viagem devota de São Francisco Xavier e do livro homónimo de Fernão Mendes Pinto. O seu repertório é dedicado à música sacra dos sécs. XVI e XVII e às músicas tradicionais do mundo que falou ou fala português, do Brasil a Timor, passando por Portugal. No entanto o repertório realizado é agora muito mais alargado.

Coro Geral do Conservatório Nacional
Inclui os alunos, desde os doze anos de idade até ao final do curso, independentemente da frequência das orquestras, grupos instrumentais ou outros agrupamentos que existem na EMCN. Musaico é um grupo criado em

>MÚSICA DE CÂMARA

Grupo de Percussão do Conservatório Nacional
Nasceu em Outubro de 2011 com intuito de dar a conhecer o repertório existente para percussões mistas, incluindo lâminas e instrumentos de pele. Tem como objetivo preparar os alunos para o seu futuro enquanto percussionistas/intérpretes, promovendo o seu contacto com o público.

>ORQUESTRAS

Orquestra do Conservatório Nacional
Conjunto instrumental constituído por alunos selecionados em função dos projetos anuais a desenvolver, que integra as cordas friccionadas e sopros de acordo com o repertório a executar e a época histórica. Possibilita aos alunos a prática de orquestra e o conhecimento de repertório que abrange o período clássico, romântico e moderno. Tem ainda como objetivo proporcionar aos alunos finalistas a experiência de tocarem a solo as obras concertantes.

Orquestra Jovem do Conservatório Nacional
Integra essencialmente alunos de cordas friccionadas que frequentam o 3º ciclo do ensino básico. Formada na sequência da orquestra do atelier musical, em 2005, esta orquestra pretende desenvolver competências básicas de música de conjunto, nomeadamente as que dizem respeito aos instrumentos de arco, preparando os alunos técnica e musicalmente para o trabalho de orquestra.

Orquestra Sopros do Conservatório Nacional
A Orquestra de Sopros da EMCN tem já largos anos de existência, tendo como objetivo principal a possibilidade de proporcionar aos seus alunos a prática de um dos agrupamentos mais representativos da música em Portugal. Simultaneamente é uma das classes de orquestra que representam a escola em apresentações públicas, e a maior em número de elementos. Com numerosos concertos já efetuados e apresentações em salas como o Teatro Camões, São Jorge, São Carlos e Teatro da Trindade foi, ao longo dos anos, dirigida por várias maestros nacionais com uma longa experiência nos instrumentos de sopro e percussão, tais como José Augusto Carneiro, Ermenegildo Campos, Délio Gonçalves, Francisco Sequeira, e, desde o final do ano de 2013, por Fernando Marinho. Tem ainda possibilitado a formação em direção de orquestra a muitos músicos em início de carreira, através de maestros convidados do estrangeiro. Assim, já foi dirigida por M. Fennel, F. Hauswirth, Albós Agulló, J. S. Bèreau, entre outros.